Páscoa Deve Ter Consumo Menor Este Ano
11/04/2017 - 23h35 em Novidades
 


A cestinha do Coelhinho terá chocolates nesta Páscoa, mas será mais simples, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Serviço Proteção do Crédito (SPC Brasil) e Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) com 1.034 consumidores nas 27 capitais do País. A sondagem mostrou que 39% dos entrevistados pretendem diminuir os gastos na comparação com 2016 e 49% devem gastar o mesmo valor do ano anterior. 

No total, 57% dos brasileiros vão presentar alguém nesta Páscoa. Três em cada dez (28%) consumidores estão indecisos e 15% disseram abertamente que não realizarão compras. O aumento dos preços dos ovos de chocolates e o desemprego foram apontados como razões para a redução do investimento na Páscoa. A consumidora Janaína Carmelo afirmou que a alta do preço vai restringir a comprar de presente apenas para os familiares, mas ela não pretende deixar de presentear. 

"A piora da economia ainda exerce um forte impacto sobre o consumidor, que acaba sendo obrigado a limitar seus gastos para organizar as finanças. Cabe ao empresário do varejo investir em promoções, preços atrativos e em estratégias de vendas para atrair os consumidores que estão indecisos", afirmou Honório Pinheiro, presidente da CNDL. 

Pouco mais de um terço (34%) dos entrevistados gastará até R$ 100 com chocolates e produtos típicos da Páscoa, mas a média geral, considerando todos os que pretendem comprar, é de R$ 139, na soma dos itens comprados. 

A economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, orienta que os consumidores façam as contas antes de fazerem as compras. "Há um estímulo para comprar, mas é importante saber quanto pode destinar e quantas pessoas poderá presentear. A partir daí, o ideal é sair de casa com dinheiro em espécie para não correr o risco de extrapolar nos gastos", disse a economista. 

A pesquisa apontou que 70% dos consumidores ouvidos devem comprar a vista. O cartão de crédito em parcela única é citado por apenas 15% dos consumidores, e o cartão de crédito parcelado teve 11% de menções. Entre os que pretendem parcelar as compras, a média será de quatro prestações. 

Marcela desaconselha o parcelamento das compras de Páscoa. "Não é o momento de entrar em um compromisso financeiro. A Páscoa é uma data fácil de presentear. Você pode dar só um chocolate. Não vale a pena se endividar por uma data comemorativa", afirmou a economista. 

A sondagem mostrou um comportamento imprudente de alguns consumidores. 5% dos entrevistados que fizeram compras na Páscoa do ano passado ficaram com o nome sujo por não quitarem as parcelas das compras e 10% disseram que costumam gastar mais do que o orçamento permite para presentearem na Páscoa. E 3% admitiram que deixaram de pagar alguma conta para comprar chocolates. 

Os ovos de chocolates tradicionais despontam na preferência (65%) entre os produtos mais procurados nesta data, seguidos de caixas de bombons (53%), ovos de chocolate infantis (46%), barras de chocolate (37%), chocolates artesanais e caseiros (23%), colombas pascoais (14%) e bebidas, como vinho (10%). 

PESQUISA DE PREÇO 
O preço é fator decisivo na hora da compra para 61% dos entrevistados. "A pesquisa de preço é um importante instrumento para quem quer economizar", orienta Marcela Kawauti. 

A diferença de valores pode variar mais de 60% entre os estabelecimentos. Segundo uma pesquisa do Procon Paraná, realizada no período de 3 a 5 de abril, em seis estabelecimentos de Curitiba, o ovo de chocolate ao leite de 169 gramas teve uma variação de R$ 10,91. 
O menor preço do ovo Diamante Negro 356 gramas encontrado foi de R$ 24,99 e o maior ficou na casa dos R$ 39,90, o que representa uma diferença de 59,66%. O Proncon-PR não comparou a variação de preço de um ano para outro. 

MERCADO CAUTELOSO 
Os supermercadistas estão cautelosos em relação às vendas deste ano. Segundo levantamento da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) as encomendas de supermercados teve uma redução de 4,9% nas vendas de Páscoa. 

Os varejistas apostaram em produtos de menor valor agregado como caixas de bombons de 400 gramas, chocolates em geral (barra, tablete), e bombom bola. O restante dos produtos registrou queda nas encomendas: ovos de Páscoa em geral (-9,8%), ovos de Páscoa acima de 150 gramas até 500 gramas (-9,8%), ovos de Páscoa até 500 gramas (-9,4%), ovos de Páscoa até 150 gramas (-5,9%).(MATÉRIA DO  JORNAL FOLHA DE LONDRINA)
COMENTÁRIOS