Bebê de Quatro Meses que foi Violentada Continua Internada com DST
11/10/2017 - 18h12 em Geral

A vítima do caso que chocou a comunidade princesina continua no Hospital da Criança João Vargas de Oliveira. A bebê de quatro meses que foi diagnosticada com uma doença sexualmente transmissível (DST) após ser vítima de abuso sexual em Ponta Grossa. A criança contraiu tricomoníase, doença transmitida exclusivamente pelo contato sexual. Ela está há mais de uma semana internada recebendo tratamento com antibióticos.

De acordo com a assessoria de imprensa da Prefeitura, responsável pela administração do hospital, a menina segue internada sem previsão de alta porque o hospital ainda aguarda uma decisão judicial sobre o destino da bebê. Ela deve ficar em um abrigo pelo menos até a conclusão do inquérito que investiga a autoria do crime. Uma conselheira tutelar que acompanha o caso confirmou que a justiça determinou que o bebê seja acolhido pelo Núcleo Promocional Pequeno Anjo. A determinação deve ser colocada em prática assim que a criança receba alta médica.

A mãe está presa por causa de um mandado de prisão expedido em 2015 por envolvimento em um roubo, e o pai está na lista de suspeitos da Polícia Civil, que investiga todos os homens que tiveram contato com a menina.

A delegada do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria), Ana Paula Cunha Carvalho, explicou que os materiais coletados dos principais suspeitos e o sêmen encontrado no órgão genital da criança foram encaminhados para exames no Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba, e que a partir de agora, a polícia só irá se manifestar após a emissão dos laudos que podem comprovar a autoria do crime. A mãe da criança continua presa na Cadeia Pública Hildebrando de Souza.

“Ela [mãe] mostrou uma foto do órgão genital da bebê e tinha uma substância estranha, mucosa, como se fosse um corrimento”, explica a delegada Ana Paula Cunha Carvalho. A foto tinha sido tirada quatro dias antes da procura por ajuda. “Antes de mais nada, encaminhamos a menina para o Hospital da Criança para que ela fosse tratada. Depois de vários exames, ela foi diagnosticada como tricomoníase, uma doença transmitida exclusivamente pelo contato sexual”, completa Ana Paula. Os médicos também confirmaram que não havia sinais de violência física na região íntima da criança, mas houve a possível coleta de esperma no material coletado nos órgãos genitais da criança.

Polícia investiga estupro de menina de quatro anos

 

 

O Nucria também investiga outra situação de estupro ocorrida na cidade. Uma menina de quatro anos deu entrada no Hospital da Criança com ferimentos e sangramento no órgão genital. Os médicos constataram evidências de abuso sexual e acionaram o Conselho Tutelar, que repassou a situação para o Nucria. De acordo com a delegada Ana Paula, as oitivas já foram iniciadas e o caso segue sob investigação. Segundo a assessoria da Prefeitura, a criança continua internada e a alta médica está condicionada à decisão judicial sobre o futuro da criança.FONTE http://arede.info/ponta-grossa

COMENTÁRIOS
PUBLICIDADE