Perdas com Lavouras de inverno somam R$ 28 Milhões
24/10/2017 - 21h43 em Agricultura

O clima não foi favorável para os cultivos de inverno na região dos Campos Gerais e os produtores rurais, que optaram pelo trigo, que é a principal cultura da época fria do ano, terão um rendimento menor e, consequentemente, uma rentabilidade inferior que a esperada inicialmente. O último levantamento do núcleo regional do Departamento de Economia Rural (Deral), vinculado à Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento (Seab), aponta que a produtividade esperada, de 3,5 mil quilos por hectare, agora caiu para 3,1 mil quilos. Em relação ao ano passado, em que o rendimento atingiu 3.965 quilos por hectare, a quebra já passa de 21%.

De acordo com o economista do Deral na região, Luiz Alberto Vantroba, as condições climáticas não foram favoráveis em nenhum momento. Se nos meses anteriores o trigo teve problemas com a estiagem e o calor, que já trouxe rendimento inferior, agora na hora da colheita as chuvas estão afetando tanto a produtividade quanto a qualidade. “A cultura já sofreu muito com a estiagem, então o rendimento de 3,5 mil quilos caiu para 3,1 mil no último relatório. Então são 400 quilos a menos por hectare. Recentemente, a cultura sofreu com esses dois períodos chuvosos, entre os dias 6 e 9 e os dias 19 e 22. E a cultura é muito sensível na hora da colheita”, informou. A colheita é realizada entre outubro e novembro, e atualmente entre 45% e 50% do trigo foi colhido nos 18 municípios da regional. 

Ao todo, a produção era estimada em 441 mil toneladas, porém com a quebra, a perspectiva é de que sejam colhidos 390 mil toneladas. Com o trigo vendido, atualmente, a R$ 34 quilos a saca de 60 quilos, essas 50 mil toneladas perdidas representam uma redução superior a R$ 28 milhões na geração de riquezas. E esse valor se refere a uma qualidade alta, quando o PH está igual a 78 ou superior, como estava antes das chuvas. “Agora a qualidade já caiu, em algumas áreas, entre 74 e 76. E isso influi no preço, já que cada PH para baixo representa cerca de R$ 1 a menos por saca”, completa Vantroba. No ano passado, nesta época, o trigo era vendido por R$ 36 a saca

 

Qualidade pode melhorar se clima for favorável

 

Como a colheita do trigo ainda está pela metade, Vantroba ressalta que a torcida dos produtores é para que o clima fique mais estável, com mais períodos ensolarados e pouca chuva. “O ideal é que não chova tanto, porque a colheita está em andamento e vai até novembro. Se as condições melhorarem, ainda dá para salvar em qualidade, já que a produtividade já está comprometida”, diz Vantroba, ressaltando que o mesmo vale para as outras culturas de inverno, como cevada e aveia.Fontehttp://arede.info/ponta-grossa

COMENTÁRIOS
PUBLICIDADE